Secção FPLN - Frente Patriótica de Libertação Nacional

Zona de identificação

Código de referência

PT-AHS-ICS-JL-FPLN

Título

Frente Patriótica de Libertação Nacional

Data(s)

  • 1960-1974 (Produção)

Nível de descrição

Secção

Dimensão e suporte

2 doc.; papel,

Zona do contexto

Nome do produtor

(1962 - 1974)

História administrativa

Movimento unitário da oposição ao Estado Novo - que incluía a Junta Central de Acção Patriótica e as Juntas de Acção Patriótica (JAP’s) - criado a 28 de Dezembro de 1962 na Conferência das Forças Antifascistas Portuguesas realizada em Roma. Nesta conferência estiveram presentes Álvaro Cunhal, António Lopes Cardoso, Fernando Piteira Santos, Francisco Ramos da Costa, Manuel Sertório, Manuel Tito de Morais e Mário Ruivo. Fora o corolário de um processo decorrente das eleições presidenciais de 1958 e que pretendia criar um amplo movimento unitário que reeditasse o que havia sido o Movimento de Unidade Democrática. Inicialmente a FPLN é dirigida por uma junta composta por Álvaro Cunhal (ou outros elementos do PCP), Tito de Morais da Resistência Republicana Socialista (RRS), Rui Cabeçadas do Movimento de Acção Revolucionária (MAR), Piteira Santos e Manuel Sertório. Embora ausente a maior parte do tempo em Praga, por doença, Humberto Delgado era o presidente.
A direcção da FPLN, chamada inicialmente de Comissão Delegada, fixa-se na recém-independente Argélia e aí funcionará até ao 25 de Abril de 1974. A vida da FPLN em Argel é tumultuosa, marcada por inúmeros conflitos, nomeadamente em torno de questões como a prioridade a atribuir à questão colonial, a adopção de novos métodos de luta contra a ditadura, nomeadamente a luta armada, ou o dissídio sino-soviético, padecendo de fracturas internas que espelhavam as novas e velhas tensões da oposição anti-salazarista e as questões que determinavam o debate político da década de 60.
Em Junho de 1964 Humberto Delgado chega a Argel para assumir a presidência da FPLN, num clima de forte crispação, com graves diferendos pessoais a misturarem-se com a radicalização das posições políticas. Em Outubro tem lugar a III Conferência da FPLN em Argel e a ruptura entre Humberto Delgado e Álvaro Cunhal, decorrente também da referida questão da luta armada, torna-se inevitável, levando o general a romper com a Frente Popular de Libertação Nacional e a criar a Frente Portuguesa de Libertação Nacional apostada na acção armada mas sem expressão real.
Ao longo da década de 60 a Frente Popular de Libertação Nacional conhece alterações, deixando de contar com o MAR e a RRS, ao mesmo tempo que se firma a hegemonia do PCP até ao momento em que este partido é expulso da Junta Revolucionária Portuguesa (JRP), o órgão máximo da FPLN, forjando-se então o ascendente das Brigadas Revolucionárias.
Na actividade da FPLN teve particular importância a Rádio Voz da Liberdade, mais tarde denominada Rádio Voz da Revolução.

Entidade detentora

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Conjunto variado de documentação produzida pela Frente Patriótica de Libertação Nacional: 16 números do jornal "Liberdade", órgão da Frente Patriótica de Libertação Nacional (número 1; fevereiro 1966 a número 16; outubro 1969); 6 exemplares do boletim "Passa Palavra", órgão dos militares da FPLN (sem número; junho 1966-maio 1968); 6 números do boletim "Portugal Informação", publicado pela comissão central de coordenação da FPLN em França (número 1; maio 1970 a número 6; Setembro 1971); 1 número do boletim político-cultural da comissão da FPLN em Liège (nº1; abril 1971); 3 exemplares da revista "Frente", publicação sobre temas políticos, questões de organização e debates (s.n.; novembro 1971, abril 1972 e dezembro 1972).

A documentação também é composta por comunicados, intervenções públicas, moções e uma ficha de assinatura da revista "Frente".

Avaliação, seleção e eliminação

Incorporações

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

    Sistema de escrita do material

      Notas ao idioma e script

      Características físicas e requisitos técnicos

      Instrumentos de descrição

      Zona de documentação associada

      Existência e localização de originais

      Centro de Documentação 25 de Abril, fundo Manuel Sertório, https://www.cd25a.uc.pt/pt/page/443

      Existência e localização de cópias

      Unidades de descrição relacionadas

      Zona das notas

      Nota

      A Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN), movimento unitário oposicionista, surgiu em 1962, a partir das "Juntas Patrióticas" ou "Juntas de Acção Patriótica" e fixou-se na Argélia, onde funcionará até ao 25 de Abril de 1974.
      Marcada pela coexistência de várias forças políticas, a FPLN sofrerá uma cisão liderada por Humberto Delgado que em Janeiro de 1965 criará a Frente Portuguesa de Libertação Nacional (FPLN).

      Nota

      Documentação organizada autonomamente.
      Localização: Depósito 2 Caixa 1

      Identificador(es) alternativo(s)

      Pontos de acesso

      Pontos de acesso - Local

      Pontos de acesso - Nomes

      Pontos de acesso de género (tipologias documentais)

      Identificador da descrição

      Identificador da instituição

      Regras ou convenções utilizadas

      Estatuto

      Nível de detalhe

      Datas de criação, revisão, eliminação

      Línguas e escritas

        Script(s)

          Fontes

          Área de ingresso