Série CMLP/PCP (m-l) - Comité Marxista-Leninista Português/-Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista)

Zona de identificação

Código de referência

PT-AHS-ICS-JB-EE-CMLP/PCP (m-l)

Título

Comité Marxista-Leninista Português/-Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista)

Data(s)

  • 1964-1972 (Produção)

Nível de descrição

Série

Dimensão e suporte

15 doc. (jornal); papel

Zona do contexto

Nome do produtor

(1964-1971)

História administrativa

O Comité Marxista-Leninista Português e a Frente Acção Popular marcam o início das organizações maoístas e marxistas-leninistas em Portugal.
O CMLP surgiu logo após a criação da Frente de Acção Popular (FAP) que tivera lugar em Janeiro de 1964 em Paris na sequência da ruptura e expulsão de Francisco Martins Rodrigues do PCP. Complementarmente à frente unitária constituída na FAP, o CMLP pretendia ser o embrião de um futuro partido comunista reconstruído, editando o órgão “Revolução Popular”.
Em 1965 a FAP/CMLP é afectada por várias prisões, entre elas a de João Pulido Valente, decorrente de uma infiltração da PIDE. O agente da PIDE infiltrado, Mário Mateus, será executado em Novembro desse ano. Em 1966 Francisco Martins Rodrigues e Rui d’Espiney são presos e as vagas repressivas fragilizam a FAP/CMLP que tinha como organização de juventude a União dos Estudantes Comunistas Marxistas-Leninistas [UEC (m-l)].
A FAP acabará por ser extinta, mantendo-se em actividade apenas o CMLP que em 1970, no V Congresso (reconstitutivo) do partido comunista, se transforma em Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista) [PCP (m-l)], embora apenas em 1971 o facto tenha sido tornado público. O PCP (m-l) desenvolverá importante actuação na emigração, nomeadamente em França.
Uma série de divergências internas levam a que o PCP (m-l) em 1974 se cinda em duas facções, “Mendes” e “Vilar”, que se constituem como partidos distintos reclamando-se do mesmo nome.

Nome do produtor

(1970-1975)

História administrativa

Com origem na FAP/CMLP, o Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista) [PCP (m-l)] é formado em 1970, no V Congresso (reconstitutivo) do partido comunista, embora apenas em 1971 o facto tenha sido tornado público. O PCP (m-l), reclamando-se como o “verdadeiro” partido comunista, desenvolverá, antes do 25 de Abril, importante actuação na emigração, nomeadamente em França, editando o jornal “O Salto”. No meio estudantil português actuava através da União dos Estudantes Comunistas Marxistas-Leninistas [UEC (m-l)], cujos elementos eram conhecidos como os “Pops”, dinamizando ainda os CLAC’s (Comités de Acção Anti-colonial). Uma série de divergências internas levam a que o PCP (m-l) em 1974 se cinda em duas facções, “Mendes” e “Vilar”, que se constituem como partidos distintos reclamando-se do mesmo nome.

"A sua origem remonta a 1956 quando se dá uma cisão no PCP. Alguns participantes desta cisão juntam-se a outros elementos de orientação marxista-leninista e criam em 1964 a Frente de Acção Popular e poucos meses depois o Comité Marxista-Leninista Português, que durou até 1970, data em que se formou o PCP (ML). A instauração de uma ditadura do proletariado e a salvaguarda da independência nacional são os seus objetivos primordiais.
Não querendo revelar quais os nomes dos seus militantes ao Supremo Tribunal de Justiça, não é admitido a concorrer às eleições para a Assembleia Constituinte. Inscreve-se oficialmente no Supremo Tribunal de Justiça em 26/03/1976. "Unidade Popular" era uma publicação sua. Não obstante não se encontrar formalmente extinto o partido não desenvolve qualquer atividade política." Comissão Nacional de Eleições, 2023-09: https://www.cne.pt/partido/partido-comunista-de-portugal-marxista-leninista

Entidade detentora

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Avaliação, seleção e eliminação

Incorporações

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

    Sistema de escrita do material

      Notas ao idioma e script

      Características físicas e requisitos técnicos

      Instrumentos de descrição

      Zona de documentação associada

      Existência e localização de originais

      Existência e localização de cópias

      Unidades de descrição relacionadas

      Descrições relacionadas

      Zona das notas

      Identificador(es) alternativo(s)

      Pontos de acesso

      Pontos de acesso - Assunto

      Pontos de acesso - Local

      Pontos de acesso - Nomes

      Pontos de acesso de género (tipologias documentais)

      Identificador da descrição

      Identificador da instituição

      Regras ou convenções utilizadas

      Estatuto

      Nível de detalhe

      Datas de criação, revisão, eliminação

      Línguas e escritas

        Script(s)

          Fontes

          Área de ingresso