Mostrar 12109 resultados

Descrição arquivística
3447 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais
Caixa / Ano 1801 / 4.º Caderno …
PT/AHS-ICS/NGM-004 · Item · 1801
Parte de Colecção Nuno Gonçalo Monteiro

Livro de caixa da Casa dos Duques de Lafões realizadas em 1801. Compreende despesas domésticas (cozinha, lavandaria, "família" (criados), propriedades, etc.).

Casa dos Duques de Lafões
Caixa / Ano 1804 / 7.º Caderno
PT/AHS-ICS/NGM-007 · Item · 1804
Parte de Colecção Nuno Gonçalo Monteiro

Livro de caixa da Casa dos Duques de Lafões realizadas em 1804. Compreende despesas domésticas (cozinha, lavandaria, "família" (criados), propriedades, etc.)

Casa dos Duques de Lafões
Caixa / Ano 1806 / 9.º Caderno
PT/AHS-ICS/NGM-008 · Item · 1806
Parte de Colecção Nuno Gonçalo Monteiro

Livro de caixa da Casa dos Duques de Lafões realizadas em 1806. Compreende despesas domésticas (cozinha, lavandaria, "família" (criados), propriedades, etc.)

Casa dos Duques de Lafões
Colecção Maria Filomena Mónica
PT/AHS-ICS/MFM · Fundo · 1834 - 2006

Documentação de apoio à investigação sobre correspondência (1869-1872) entre Jaime Batalha Reis e Celeste Cinatti; correspondência (1852-1889) da família de Rio Maior; Discursos parlamentares (1834-1910); o concurso público que Eça de Queirós não ganhou (1870 - 1871), produzida por Maria Filomena Mónica, até 2006. Integra em digital levantamentos e transcrições de fontes manuscritas.

Mónica, Maria Filomena.
Caixa 1 - Tombo das propriedades
PT/AHS-ICS/CBA-7 · Item · 1834-1917
Parte de Arquivo da Casa Barão de Almeirim

Contém: Maço 1 – matriz predial de um prédio rústico no campo e freguesia do Pombalinho. Maço 2 – escritura de arrendamento que a baronesa D. Carolina Sofia Shannon Braancamp Freire, o 3º barão de Almeirim e esposa – Manuel Braancamp Freire e D. Luísa de Passos Sousa Canavarro, e Carlos Braancamp Freire fazem ao rendeiro João da assumpção Coimbra, em 1909. Maço 3 – escritura de sublocação de arrendamento que fez Manuel Pinheiro de Carvalho ao barão de Almeirim em 1864. Maço 4 – escritura de partilha de bens em 1915, entre D. Luísa de Passos Sousa Canavarro e seu cunhado Carlos Braancamp Freire, 4º barão de Almeirim. Maço 5 – ‘Autos cíveis de carta precatória para citação, penhora e avaliação’, do Juízo de Direito da Quarta Vara de Lisboa, a requerimento de Eduardo Antunes de Mendonça contra os barões de Almeirim, em 1868. Maço 6 - petição de Manuel Nunes Freire da Rocha a D.Maria II, que ‘julgado com bom liberal lhe seja entregue instrumento para título e receber mercê’, em 1834. Maço 7 – requerimento de Carlos Braancamp ao Secretário de Finanças do concelho de Santarém, para que seja feita a avaliação de uns prédios em vista à partilha extra-judicial da herança com a cunhada D. Luísa de Passos de Sousa Canavarro; junto a certidão dos ditos prédios. Maço 8 – rectificação de partilhas que fazem Carlos Braancamp e esposa com a cunhada, D. Luísa de Passos de Sousa Canavarro, em 1917. Maço 9 – requerimento de D. Luísa de Passos de Sousa Canavarro Braancamp Freire e Carlos Braancamp Freire para que sejam passadas a certidão as descrições prediais, em 1916. Maço 10 – carta cível de arrematação para título e posse passada a favor do barão de Almeirim, na qualidade de arrematante do domínio directo do prazo de Alagoa, que pertencia ao casal da inventariada D. Maria da Piedade Telles de Menezes e em que é inventariante D. Mariana de Noronha. Maço 11 – resumo dos títulos do ‘Prazo de dois Hastins’ de João Borges. Maço 12 – tombo da proprieddae nº 5 – ‘Prazo dos três Hastins nos Douze’ – mais títulos da propriedade. Maço 13 – tombo da propriedade nº 6 – ‘Alagoa’ – mais títulos da propriedade. Maço 14 – inventário de rendeiros de vãos das vinhas. Maço 15 – certidões das propriedades cuja posse está inscrita definitivamente a favor de Carlos Braancamp Freire, 4º barão de Almeirim, passadas pelas Conservatórias do Registo Predial de Santarém e da Golegã.

«Certidões de casamento e óbito»
PT/AHS-ICS/CBA-1 · Item · 1835-1894 s.d.
Parte de Arquivo da Casa Barão de Almeirim

Contém: Maço 1 – certidão de casamento do 1º barão de Almeirim, Manuel Nunes Freire da Rocha. Maço 2 – Escritura de casamento de Manuel Nunes Freire da Rocha, 1º barão de Almeirim, com D. Luísa Maria Joana Braancamp (1835). Maço 3 – cópia da escritura de casamento de D. Maria Inácia Braancamp Freire, filha dos 1º barões de Almeirim. Maço 4 – certidão de casamento do 2º barão de Almeirim, Manuel Nunes Braancamp Freire (1862). Maço 5 – certidão de óbito do 3º barão de Almeirim, Manuel Braancamp Freire, falecido nos Estados Unidos em 1894. Maço 6 – cópia da certidão de óbito de Manuel Braancamp Freire, mais tradução. Maço 7 – certidão de óbito da 2ª baronesa de Almeirim, D. Carolina Sofia Shannon. Maço 8 – certidão de baptismo do 3º barão de Almeirim. Maço 9 – certidão de casamento do 3º barão de Almeirim. Maço 10 - certidão de óbito do 3º barão de Almeirim. Maço 11 – certidão de nascimento do 4º barão de Almeirim Maço 12 – registo criminal do 4º barão de Almeirim Maço 13 – registo civil do casamento do 4º barão de Almeirim, Carlos Braancamp Freire. Maço 14 – certidão de nascimento de D. Maria da Madre de Deus Braancamp Freire, filha do 4º barão de Almeirim. Maço 15 – certidão de óbito de Alexandre Braancamp Freire, falecido em 1874. Maço 16 – papeis que dizem respeito ao casamento de D. Maria Inácia (1855).

Livros de registo, caixa e contas correntes
PT/AHS-ICS/CBA-9 · Item · 1835 - 1959
Parte de Arquivo da Casa Barão de Almeirim

Contém:
Livro Mestre das Propriedades da Casa, 1870.
Livro das Fazendas e Bens de Raiz.
«Formal de partilhas para título do Exmº Senhor Barão de Almeirim».
Livro ‘Diário 1 (A)’, de 12 de Janeiro de 1915 a 31 de Dezembro de 1916.
Livro ‘Diário 1(B)’, de 1 de Janeiro de 1916 a 13 de Julho de 1918.
Livro ‘Diário 1(C), 1918.
Livro de Caixa nº 1, de 1915.
Livro de Caixa nº1, 1 de Outubro de 1918 a 28 de Fevereiro de 1923.
Livro de Caixa nº2, 1923-24.
Livro de Caixa nº3, 1924-25.
Livro de Caixa nº4, 1925-26.
Livro de Caixa nº5, 1926-27.
Livro de Contas Correntes nº1, 1915.
Livro de Contas Correntes nº2, 1918-1939.
Livro ‘Contas da Casa’, 1914-1915.
Livro ‘Contas da Casa’, 1916.
Livro ‘Contas da Casa’, 1920.
Livro ‘Registo de Criados de Lavoira’, nº1, 1918 a 1923.
Livro ‘Registo de Criados de Lavoira’, nº2, 1924 a 1932.
Livro ‘Registos de éguas’.
Livro ‘Celeiros’, 1 de Outubro de 1918 a 1928.
Livro de ‘Sementeiras, produções e arrendamentos’, nº 1, de 1 de Outubro de 1918 a 1931.
Livro de ‘Palheiros e pastos’, nº1, de 1 de Outubro de 1918 a 1927.
Livro ‘Lagar de azeite’, nº 1, de 1 de Outubro de 1918 a 1928.
Livro ‘Registo de gados’, 1 de Outubro de 1918 a 1925.
Livro ‘Registos de foros (activos e passivos e contribuições, segundo a escritura de partilhas de 1915)’.
Índice pela ordem alfabética dos foreiros lavradores.
Pasta I –mapas de ‘Férias de pessoal’, 5 de Outubro de 1918 a 4 de Fevereiro de 1924.
Pasta II – mapas de ‘Férias de pessoal’, 11 de Fevereiro de 1922 a 27 de Dezembro de 1924.
Pasta III –mapas de ‘Férias de pessoal’, 3 de Janeiro de 1925 a …
Pasta com ‘Facturas e contas de mobílias, obras, etc.’
Pasta com ‘Tabelas e circulares de preços de adubos, sementes, etc.
6 caixas arquivador com facturas.
1 caixa de ‘recibos e contribuições’.

«Testamentos»
PT/AHS-ICS/CBA-3 · Item · 1838-1864
Parte de Arquivo da Casa Barão de Almeirim

Contém: Maço 1- ano de 1862. Diversos para o inventário da 1ª baronesa de Almeirim (4 documentos). Junto o extracto do inventário a que se procedeu por falecimento da baronesa. Maço 2 – testamento com que faleceu D. Rita Mariana Giralda Freire da Cunha, em 19 de Agosto de 1838; termo de abertura do mesmo e uma pública forma do dito. Maço 3 – testamento com que faleceu o barão do Pombalinho, em 10 de Abril de 1855. Maço 4- testamento com que faleceu o 1º barão de Almeirim, em 16 de Junho de 1859. Maço 5 – testamento da 1ª baronesa de Almeirim, feito em 11 de Fevereiro de 1862. Maço 6 – cópia da carta testamentária da 1ª baronesa de Almeirim, 7 de Março de 1862. Maço 7 – cópia do testamento de José Augusto Braancamp. Maço 8 – inventário dos bens que ficaram por falecimento da 1ª baronesa de Almeirim, cuja partilha foi julgada por sentença de 2 de Junho de 1864. Maço 9 – instrumento de procuração, de 1862, de Geraldo José Braancamp fazendo seu procurador António José Soares.